Pesquisar este blog

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Presídios de Ribeirão e região têm entrada de 175 celulares

Presídios de Ribeirão e região têm entrada de 175 celulares

Enquanto isso, bloqueadores estão em fase de instalação e testes


 / 
F.L Piton / A Cidade
SAP diz que unidade de Serra Azul e Ribeirão Preto (foto) passam por testes para instalação de bloqueadores de celular (foto: F.L. Piton / A Cidade)
Um levantamento feito pela Secretaria de Administração Penitenciária aponta que, neste ano, 175 aparelhos celulares foram apreendidos nas sete unidades prisionais de Ribeirão Preto e região – Penitenciárias Masculina, Feminina e CDP de Ribeirão, Penitenciárias 1 e 2 de Serra Azul, CDP de Serra Azul e CPP de Jardinópolis.

A maior parte dos telefones foi encontrada na área externa dos presídios – 64 aparelhos. O segundo lugar onde houve maior número de apreensões foi, incrivelmente, dentro das celas – 57 celulares.
“A entrada desses aparelhos é um grande problema, pois o crime organizado se articula dentro das prisões, haja vista que já foram flagradas gravações de líderes ordenando execuções de dentro das celas”, diz o coordenador do Observatório de Violência da USP de Ribeirão, o professor de psicologia social Sergio Kodato.
O especialista aponta como “considerável” a quantidade de celulares apreendidos nos presídios da região e estima uma subnotificação entre 20% e 30% das ocorrências.
A partir dessa estimativa, haveria hoje até 50 celulares sendo utilizados dentro das penitenciárias da região. O uso desses aparelhos infringe lei federal de 2009, que proíbe o uso de celular dentro dos presídios e prevê um ano de pena para esse tipo de agravante.
“Não é possível que seja tão cara a tecnologia para colocar uma barreira que proíba, de vez, a entrada dos celulares nos presídios. Mas o que temos notado é que os investimentos nas unidades prisionais têm deixado a desejar. O fato é que não há um investimento maciço para isolar as penitenciárias do exterior”, analisa.
De acordo com Kodato, o controle da entrada de celulares também passa por uma melhor preparação dos agentes penitenciários. “É preciso aumentar a vigilância e a fiscalização, já que o crime organizado vem com força na guerra contra as forças policiais, penitenciárias e judiciárias”, conclui.
Testes
A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado informou que bloqueadores de celulares estão em fase de instalação e testes na Penitenciária de Ribeirão Preto e na Penitenciária I de Serra Azul. A pasta, no entanto, não informou em quanto tempo os bloqueadores estarão em pleno funcionamento.
Arte / A Cidade
Infográfico mostra as apreensões de celulares nos presídios de Ribeirão e região (Arte / A Cidade)
Estado colocará bloqueio em 23 penitenciárias
Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, o sistema de bloqueadores de celulares está sendo instalado nos presídios que abrigam presos líderes de facções criminosas e nos que possuem presos de alta periculosidade. “Serão abrangidos inicialmente 23 presídios, sendo que a primeira unidade em que foi instalado o sistema foi a Penitenciária 2 de Presidente Venceslau”, informa.
A SAP acrescenta que o combate ao crime organizado dentro e fora dos presídios é efetuado diariamente pelos órgãos de inteligência da pasta, em parceria com as polícias Civil e Militar, grupos de atuação e combate ao crime organizado do Ministério Público, Poder Judiciário e Polícia Federal. “São efetuadas revistas frequentemente nas celas e demais dependências de todos os presídios do Estado.” A nota ainda informa que qualquer servidor que for surpreendido sendo conivente com o crime é submetido a processo administrativo e “demitido a bem do serviço público”, conclui. 

Total de visualizações de página