Pesquisar este blog

sábado, 15 de abril de 2017

Marc Souza: Nossas instituições vive uma crise moral.

A cada dia novos casos de corrupção brotam no noticiário dando ao povo uma insegurança muito grande, e claro, uma descrença muito grande junto aos três poderes.

O pior é que, como sempre, nossos governantes procuram a maneira mais fácil para sair da crise.

Resultado: A conta esta sendo mandada para o povo. A reforma de previdência é o caso mais claro disso.

Mas não é sobre isso que eu venho falar.

Venho falar sobre nós. Como reagimos a estas situações.

Não é de hoje que o noticiário esta repleto de notícias sobre corrupção. O palco e os personagens são os mesmos, pouco se muda. Quando há a mudança a mudança vem em nome de um filho, sobrinho, enteado dentre outros, portanto, nada se muda.

Nós, o povo, assistimos a tudo pacificamente. Como se fosse um enredo de filme, de terror claro, ou de alguma novela da rede globo.

Passa ano, entra ano, e tudo é exatamente igual.

O pior é crescemos assim, fomos educados para assistir a tudo pacificamente, sem agir, inertes, sentados nos sofás de nossas salas assistindo tudo pela TV.

Os mais revoltados agem, pegam os seus pcs, smarthphones e tablets e se colocam a verbalizar nas redes sociais. Falam mal, ofendem, defendem teses, encontram soluções, mas, nada mais.

Ninguém luta. Ninguém levanta a bunda da poltrona e parte para a ação.

No conforto do nosso lar, temos todas as soluções para todos os problemas do país. No conforto do nosso lar acabaremos com a corrupção e a inércia de nossas instituições, com belos e maravilhosos textos. Ou com as nossas palavras revoltadas contra o sistema pré-estabelecido.

No conforto do nosso lar falamos mal do presidente, dos deputados, dos senadores dos governadores, dos prefeitos, dos vereadores.

No conforto do nosso lar falamos mal do padre da nossa paróquia, do pastor da nossa igreja, do representante do nosso bairro, dos nossos representantes sindicais.

No conforto do nosso lar falamos mal do nosso trabalho, dos nossos companheiros de trabalho, do nosso patrão e do patrão dos outros também.

Mas, só isso.

Quando temos o poder de mudar algo, quando temos a oportunidade de sair do âmbito das idéias e ir para as ações, nos omitimos.

Ficamos inertes.

E claro, reclamamos. Reclamamos. Reclamamos.

E novamente temos grandes idéias. E novamente nos revoltamos e xingamos. Mas sempre, sempre no conforto do nosso lar.

E tudo fica exatamente igual. E tudo ficará para sempre igual.

Afinal, não adianta falar mal dos nossos governantes, chamá-los de corruptos de ladrões, dentre outras coisas, e quando temos a oportunidade de tirá-los de lá e colocar pessoas novas e honestas, não fazemos. Não adianta falar mal dos partidos políticos se não procuramos fazer parte deles e ajudar na elaboração de projetos com nossas idéias. Não adianta falar mal do prefeito e dos vereadores por que a cidade esta suja se jogamos na rua o papel da nossa bala. Não adianta falar mal dos nossos sindicalistas se sequer participamos da vida do nosso sindicato.

Assim somos nós, somos ótimos em questionar as pessoas erradas, somos ótimos em criticar tudo e a todos, principalmente quando estamos no conforto do nosso lar.

Mas, quando somos instigados a agir. Quando somos convidados a participar dos projetos e agir em prol do que acreditamos escolhemos o conforto do nosso lar.

E nada muda. Tudo fica igual.

Só não fica igual na timeline do nosso facebook.

Marc Souza
Asp Penitenciária Dracena

Total de visualizações de página