Pesquisar este blog

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Confira a pauta da Campanha Salarial 2015 aprovada em Assembléia

Confira a pauta da Campanha Salarial 2015 aprovada em Assembléia 


Que se pague o preço – ou o preço que se pagaPDFImprimirE-mail
Qua, 31 de Dezembro de 2014 18:59
Trabalhadores do sistema prisional reivindicam ajuste salarial para a categoria
Video sobre a campanha salarial 2015: clique aqui

Enquanto o crime se organiza, a política desmanda, o sistema corrói, o trabalhador agoniza. Enquanto um presídio no Estado de São Paulo gasta cerca de 1400,00 por mês, já nos federais, um preso custa cerca de 3.400,00.
Luís Flávio Gomes, jurista e diretor presidente do Instituto Avante Brasil (instituto de pesquisas), explica que a diferença gritante entre o custo de um preso federal e outro não existe “porque os presídios federais pagam melhor seus funcionários e não há superlotação, ou seja, quanto mais superlotado, menos despesa aos cofres públicos”.
Segundo números da Secretaria de Administrações Penitenciárias (SAP), em agosto de 2014 havia um déficit de cerca de 87 mil vagas nos presídios paulistas, ou seja, seria necessária a construção de 114 novos presídios para um ajuste, o que custaria ao governo cerca de 4,5 bilhões de reais. O que torna claro que a falta de manutenção e investimentos a médio e longo prazo trouxeram um problema bombástico de custo-benefício, humanístico e de difícil resolução, não só aos trabalhadores do sistema prisional, como também, à população carcerária, e sobretudo a todo cidadão.
“Os presídios superlotados, a população e o governo soltam o problema nas nossas mãos, sempre com defasagem de funcionários, temos que nos virar e cuidar de uma população carcerária vinda de problemas sociais maiores, na maior parte das vezes seres humanos desagregados, e eles querem que nós façamos a ressocialização ou que isso seja possível de alguma maneira”, explica João Alfredo, secretário Geral.
Decorrente ao sucateamento das nossas condições de trabalho, e ao que viemos sofrendo com isso no decorrer dos anos, em Assembleia Geral, a SIFUSPESP fixou uma pauta de reivindicações financeira e salarial para o ano de 2015.
Entre os principais pontos discutidos e aprovados, podemos citar:
Pleito por uma indenização/valorização no montante de 50% do salário base dos ASPs e AEVPs.
Reposição inflacionária referente ao ano de 2014.
Alimentação diária no valor de R$ 540,00 perfazendo equidade com o valor que é pago para a carreira policial.
Aposentadoria especial aos 25 anos na função.
Aposentadoria integral, garantindo-se a manutenção de igualdade de vencimentos entre ativos e inativos.
Pagamento de Insalubridade grau máximo ao ASP e ao AEVP readaptado.
Criação e implementação da Lei Orgânica da categoria.

A Diretoria

Total de visualizações de página